Está aqui :

Está aqui

menu

Noticias UP

Subscribe to feed Noticias UP
Portal de Notícias da Universidade do Porto
Actualizado: há 6 minutos 48 segundos atrás

European Design Awards arrancam na FBAUP

4 horas 22 minutos atrás

Belas Artes acolhe sessão inaugural um mês antes dos ED Awards. (Foto: Egidio Santos/U.Porto)

É já esta quinta-feira, dia 27 de abril, às 10h00, que a Aula Magna da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) se enche para a pré-abertura da edição 2017 dos European Design Awards, evento que se realiza pela primeira vez em Portugal, sendo o Porto a cidade organizadora e anfitriã.

“How to Promote your Work in the Design Arena” é o tema do warm-up do festival. Com entrada livre, esta sessão inaugural, que assinala também o Dia Mundial do Design Gráfico, tem como convidados Roland Stieger (agência TGG, Suíça), Jeroen van Erp (agência Fabrique, Holanda) e António Esteves (Burocratik, Portugal).

Os European Design Awards chegam ao Porto depois de passarem por cidades como Viena, Istambul, Colónia, Helsínquia, Roterdão, Estocolmo, Zurique ou Atenas. A 10.ª edição do evento está marcada para 27 de maio, no Teatro Rivoli, e tem como tema Celebrating Creative Excellence. A cerimónia envolve não só a entrega de prémios, como também conferências, exposições e workshops.

Em 2015, a marca Porto. foi premiada nos European Design Awards com o prémio principal (Best of Show”.

Os European Design Awards foram criados em 2006 e distinguem, anualmente, o melhor do design gráfico, design de exposições, ilustração e design digital. Os projetos a concurso são autopropostos e o seu júri é composto por editores de revistas especializadas do sector.

Em 2015, a agência White Studio foi eleita Best of Show, distinguindo a marca “Porto.” – criada por Eduardo Aires, professor da FBAUP – como a melhor da Europa.

Mais informações aqui.

FEUP acolhe Encontro Solidário de Tunas

7 horas 39 minutos atrás

O valor das receitas reverte inteiramente para a associação “Já T’explico” (foto: D.R.)

É já esta quinta-feira, dia 27 de abril, pelas 20h30, que o Grande Auditório da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) recebe a 8ª edição do Encontro Solidário de Tunas, numa iniciativa promovida pela TEUP – Tuna de Engenharia da Universidade do Porto, que conta com a participação de nove Tunas da cidade do Porto.

À semelhança das edições anteriores, este espetáculo musical tem um forte cariz solidário uma vez que as receitas revertem, na sua totalidade, a favor de uma instituição e causa social, a Associação “Já T’explico”. Trata-se de um projeto que dá apoio escolar a jovens do 2º e 3º ciclo do ensino básico que não tenham possibilidades económicas de o obter através de sessões de explicações pagas. Além disso, esta associação realiza também várias campanhas de angariações de fundos para que os alunos abrangidos pelo plano de explicações recebam também material escolar.

No final do evento os participantes podem ainda continuar a noite de diversão em mais uma edição do FEUPCaffé Solidário, no edifício da AEFEUP.

O custo dos bilhetes é de dois euros para estudantes e de quatro euros para o público em geral. Os mesmos podem ser adquiridos no corredor principal da FEUP.

Mais informações na página de Facebook do evento e na página da associação “Já T’explico”.

Prémios Incentivo’17: Sónia Guerra

11 horas 49 minutos atrás

Natural de Ponte de Lima, Sónia Guerra escolheu a U.Porto “pelo mérito e pela qualidade de ensino”.

A transição para o ensino superior nem sempre é fácil na vida de um estudante. Para Sónia Guerra, o caminho ficou facilitado ao encontrar “excelentes professores, dedicados e que se preocupam com o sucesso dos seus estudantes, bem como colegas excecionais”. A “receita” parece ter funcionado na perfeição para a estudante da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto (FFUP), pois completou o primeiro ano do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas com média de 17,508 valores, sendo por isso um dos vencedores da edição 2017 do Prémio Incentivo, entregue no Dia da Universidade do Porto.

– Uma razão para ter escolhido a U.Porto?

Pelo seu mérito e pela qualidade de ensino, reconhecidos não só a nível nacional como a nível internacional. Constituem-se como uma vantagem para os seus estudantes e um motivo de grande orgulho.

– O balanço deste primeiro ano na Universidade?

Foi um ano de adaptação ao mundo universitário, mas, mais do que isso, foi um ano de descoberta e de crescimento, tanto a nível académico como a nível pessoal. A entrada neste novo ciclo obriga-nos a fazer algumas mudanças no nosso ritmo, para que possamos atingir os objetivos propostos, o que se tornou verdadeiramente mais fácil quando se tem a sorte de encontrar excelentes professores, dedicados e que se preocupam com o sucesso dos seus estudantes, bem como colegas excecionais. A Faculdade de Farmácia acolheu-me da melhor forma possível e sempre me desafiou a dar o meu melhor. Portanto, acho que foi um ano bastante positivo e muito enriquecedor, e só tenho de agradecer as todas as pessoas que integram a Universidade do Porto e com quem tive a sorte de contactar, pelo excelente trabalho que desempenham.

– De que mais gosta na Universidade do Porto?

Gosto, particularmente, da proximidade e do esforço que se desenvolve no sentido de acolher os estudantes e de os integrar nesta “grande família” que é a Universidade do Porto. Além disso, é de destacar a excelente relação entre professores e estudantes, que, na minha opinião, é fundamental para o nosso crescimento a nível pessoal e, sobretudo, no aspeto profissional. É também de realçar a contribuição das atividades extracurriculares desenvolvidas e a aposta na investigação e na parceria com outras instituições, que se têm revelado uma mais valia.

– De que menos gosta na Universidade do Porto?

O facto dos diferentes pólos se encontrarem afastados pode constituir uma vantagem, pois permite-nos conhecer melhor a cidade do Porto, no entanto, este afastamento tem-se revelado um obstáculo no intercâmbio de ideias e conhecimentos entre as mais diversas áreas científicas.

 – Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?

O desenvolvimento de novos projetos que envolvam as várias faculdades, de forma a potenciar a partilha de conhecimentos entre os estudantes das diferentes áreas.

 – Um desejo para a Universidade do Porto, no seu aniversário?

Desejo que a Universidade do Porto tenha muito sucesso no futuro e que seja, cada vez mais, reconhecida pelo seu mérito. E, especialmente, que continue a preocupar-se em formar cada vez melhores profissionais e que invista mais na investigação.

– Qual a importância do Prémio Incentivo para o futuro?

Este prémio constitui o reconhecimento e a valorização de todo o esforço realizado no último ano, sendo uma motivação para o futuro e, além disso, faz-nos acreditar que o trabalho e a dedicação não são algo em vão. Numa altura em que as perspetivas de futuro não são as mais favoráveis, é importante mostrar aos estudantes que existe um futuro que só deles depende, e que é possível emergir no mercado de trabalho e concretizar todos os seus sonhos e objetivos.

Álvaro Siza recebe Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública

18 horas 45 minutos atrás

Siza Vieira é Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Arquitectura da U.Porto. (Foto: Egidio Santos/U.Porto)

O Presidente da República condecorou esta terça-feira o arquiteto Álvaro Siza Vieira, com a Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública, distinção que assinala a vertente de pedagogo do Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto​ (FAUP).

Numa cerimónia realizada no Palácio de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que condecorar Siza Vieira “é agraciar um génio multifacetado: de criação mas também de pedagogia, de inventiva mas de serviço de comunidade, de afirmação pessoal mas também militância cívica”. O chefe de estado agradeceu ainda a Álvaro Siza Vieira por todos os dias fazer as pessoas acreditarem “um pouco mais em Portugal”.

Aquando do anúncio da distinção, no início do mês, Marcelo Rebelo de Sousa lembrava que “há uma vertente fundamental da personalidade de Siza Vieira que ainda não foi devidamente assinalada, que é a do pedagogo. Ajudou a criar uma escola, criou discípulos, mas criou uma nova mentalidade no país, abriu caminhos através da sua formação”, justificou então o Presidente da República, acrescentando que Siza “é um professor e é um mestre, além de ser um genial criador do domínio da cultura”.

Esta é a terceira vez que Álvaro Siza Vieira é galardoado pelo Presidente da República. Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada desde 1992, é ainda detentor da Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, desde 1999.

Nascido em Matosinhos, em junho de 1933, Siza Vieira estudou Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes do Porto (ESBAP) – antecessora das faculdades de Arquitectura e de Belas Artes da Universidade do Porto – entre 1949 e 1955. “Discípulo” de Fernando Távora, de quem foi colaborador entre 1955 e 1958, ensinou na ESBAP entre 1966 e 1969, tendo lecionado posteriormente na FAUP, onde deu a última aula em outubro de 2003.

Com uma obra amplamente reconhecida a nível nacional e internacional, assinou projetos emblemáticos como os da Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira, da Faculdade de Arquitectura da U.Porto, da Biblioteca da Universidade de Aveiro, do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, da Igreja de Marco de Canaveses, ou do Pavilhão de Portugal na Expo 98.

Galardoado com o Prémio Pritzker, em 1992, Siza Vieira é o mais premiado arquiteto português, somando distinções um pouco por todo o mundo. Entre elas incluem-se a Medalha Alvar Aalto e o Prémio de Arquitetura Contemporânea Mies van der Rohe, em 1988, o Prémio AICA/SEC, da Associação Internacional dos Críticos de Arte, assim como o Leão de Ouro da Bienal de Veneza, em 2002, e o Leão de Ouro de Carreira, entregue em 2012.

Mozart “apadrinha” os 50 anos dos Antigos Orfeonistas da U.Porto

Ter, 25/04/2017 - 22:17

Concerto tem como ponto alto a interpretação da famosa Missa da Coroação de Mozart KV317 pelos Coros da AAOUP e do OUP, acompanhados pela Orquestra do Conservatório de Música de Gaia. (Foto: DR)

A Paróquia de Nossa Senhora da Boavista (Igreja do Foco) acolhe no próximo sábado, dia 29 de abril, pelas 21h30, o Concerto Comemorativo dos 50 anos da Associação dos Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto (AAOUP).

A primeira parte do espetáculo incluirá trechos do Messias, do Requiem de Mozart e várias árias de Rossini, Bizet e Pergolesi. O ponto alto será contudo reservado para a segunda parte do concerto, onde será interpretada a famosa Missa da Coroação de Mozart KV317 pelos Coros Clássico e Experimental da AAOUP e o Coro Clássico do Orfeão Universitário do Porto (OUP), acompanhados pela Orquestra do Conservatório de Música de Gaia.

Aquela que se apresenta como “uma grande festa coral de antigos e actuais alunos da Universidade do Porto” tem também uma vertente solidária. Com efeito, a receita do concerto servirá para apoiar a Missão Vin Por Ti – Voluntariado Internacional por Timor.

Os bilhetes podem ser solicitados através do e-mail aaoup@aaoup.up.pt .

Mais informações na página do evento no Facebook.

Sobre a AAOUP

Fundada em 1967, a Associação dos Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto é constituída por antigos estudantes da Universidade do Porto que, na sua maioria, integraram o centenário Orfeão Universitário do Porto (OUP) no seu tempo de estudantes. Na vertente artística mantém em funcionamento regular o Coro Clássico e o Coro Experimental, o Grupo de Fados, a Orquestra de Tangos, a Tuna Veterana, as Danças Regionais e Pauliteiros, apresentando-se regularmente em espetáculos associados a fins de beneficência e de benemerência.

No ano em que comemora o seu cinquentenário, a AAOUP preparou um programa de eventos que incluem um Concerto Solene com Orquestra, um Baile de Gala, um Arraial, o Concerto dos 80 Anos da Orquestra de Tangos, o Sarau dos 50 Anos, uma exposição na Reitoria da U.Porto, e edições de gravações e livros.

Universidade do Porto é vice-campeã nacional universitária de Canoagem

Ter, 25/04/2017 - 09:00

Universidade do Porto é vice-campeã nacional universitária de Canoagem com 8 medalhas conquistadas.

A Universidade do Porto alcançou o segundo lugar coletivo no Campeonato Nacional Universitário (CNU) de Canoagem, que se realizou no passado domingo, 23 de abril, em Montemor-o-Velho.

A equipa da U.Porto, composta por 14 estudantes/atletas, terminou a competição de Canoagem com quatro medalhas de prata e quatro de bronze.

Os vice-campeões nacionais universitários foram Marta Pinto e Francisca Carmo, em K2 500, Jorge Castro e Duarte Faria, em K2 200, e Daniel Cunha, Duarte Faria, Francisco Vieira e Paulo Martins, em k4 500.

Jorge Castro alcançou a medalha de bronze em K1 500, feito repetido por Marta Pinto em K1 200, e por Francisca Carmo e Bruna Correia em K2 200.

Mais informações no site do Centro de Desporto da U.Porto (CDUP-UP).

U.Porto com “fome” de títulos nas fases finais dos CNU’s 2017

Seg, 24/04/2017 - 15:12

As equipas da U.Porto vão lutar pelos títulos nacionais universitários nas modalidades de Rugby, Andebol feminino e Hóquei em Patins masculino. (Foto: CDUP.UP)

A Universidade do Porto iniciou esta segunda-feira, em Coimbra, a sua participação nas Fases Finais dos Campeonatos Nacionais Universitários (CNU’s) 2017, competição que, ao longo das próximas duas semanas – 24 de abril até 5 de maio – , vai juntar cerca de 2000 estudantes atletas do ensino superior na disputa dos títulos nacionais universitários de Futsal, Basquetebol, Rugby 7s, Andebol, Hóquei em patins, Voleibol e Futebol.

A U.Porto estará representada nestas fases concentradas com 52 estudantes atletas e nove oficiais (treinadores, oficiais e fisioterapeutas) do CDUP-UP, representando as equipas de Rugby 7 masculino e feminino, Andebol feminino e Hóquei em Patins masculino.

A primeira equipa a entrar em ação é a equipa de Rugby 7 masculino que disputa nos dias 24 e 25 de abril o seu CNU, em grupo único frente à Associação Académica da Universidade de Évora (AAUE), Associação Académica de Coimbra (AAC), Associação Académica da Universidade do Minho (AAUE) (AAUM), Associação de Estudantes da Faculdade de Engenharia da U.Porto (AEFEUP) e Associação de Estudantes da Católica Lisbon School of Business & Economics (AECLSBE). Um dia depois, a 25 de abril, joga-se o CNU de Rugby 7 feminino, em que a U.Porto defronta também num grupo único a AAC, a Associação Académica da Universidade de Aveiro (AAUAv) e a AAUE.

De 26 a 28 de abril é a vez de entrarem em ação as equipas participantes nos CNU’s de Andebol feminino e Hóquei em Patins masculino. Na competição de Andebol feminino existem dois grupos em que o 1º e 2º lugares disputarão as meias finais. A U.Porto encontra-se no grupo A defrontando a AAC e AAUE. Em Hóquei em patins, a U.Porto encontra-se no grupo B com a AAUAv e AAUM. Nesta competição existem três grupos, passando à meia-final os primeiros de cada grupo e o melhor segundo classificado.

A U.Porto está ainda representada por três associações de estudantes em diferentes modalidades. A Associação de Estudantes da Faculdade de Desporto (AEFADEUP) vai disputar os CNU’s de Andebol masculino, Basquetebol feminino e masculino, Futsal feminino e masculino, Voleibol feminino e masculino. A AEFEUP foi apurada para estas fases finais em Basquetebol feminino, Futebol 11 Masculino, Rugby 7 masculino, Futsal feminino e masculino, Voleibol feminino e masculino. Por último, a AEFEP vai disputar os CNU’s de Futsal masculino e Voleibol feminino.

O desempenho dos atletas/estudantes da U.Porto pode ser acompanhado na página oficial do Centro de Desporto da U.Porto no Facebook, bem como no evento das fases finais da Federação Académica de Desporto Universitário (FADU).

Mostra da U.Porto bate recorde de visitantes pelo segundo ano seguido

Seg, 24/04/2017 - 11:37

A 15.ª edição da Mostra da Universidade do Porto voltou a bater o recorde de público, somando mais de mil visitantes face ao ano anterior.

Chegou ao fim a 15.ª Mostra da Universidade do Porto, numa edição por onde passaram mais de 19 mil visitantes, tornando-se, assim, na Mostra mais concorrida de sempre.

Durante quatro dias (20 a 23 de abril), quem passou pelo Pavilhão Rosa Mota teve à sua disposição mais de uma centena de atividades interativas para ficar a conhecer de perto as atividades de ensino e de investigação da U.Porto. Os dois primeiros dias foram praticamente ocupados pelos mais de 100 grupos escolares de alunos do ensino básico e secundário de várias escolas do país, enquanto que o fim-de-semana foi escolhido por milhares de famílias e muitos curiosos.

Este ano, a Mostra recebeu o maior número de visitantes estrangeiros de todas as edições passadas, com público natural de 15 países, desde a Espanha ao Bangladesh.

Em jeito de balanço, o Reitor da U.Porto afirmou que a Mostra provou ser, novamente, uma das grandes iniciativas da Universidade, revelando ao público “a qualidade da instituição e a disponibilidade das pessoas em projetar o seu trabalho à sociedade”. Sebastião Feyo de Azevedo realçou que este evento permite “que os jovens possam moldar os seus gostos e despertar determinados interesses”, isto, porque, lembra o Reitor, “muitos destes jovens vão tentar no futuro ingressar no Ensino Superior”.

Francisco Oliveira foi um dos muitos estudantes da U.Porto que ajudaram a esclarecer dúvidas a todos os visitantes que passaram pelo stand do curso de Engenharia Metalúrgica e de Materiais e que viram o trabalho desenvolvido na Faculdade de Engenharia. Para Francisco, que visitou a Mostra enquanto aluno do secundário, este evento ajudou-o “a ter uma ideia mais concreta quanto à área que pretendia seguir”. Na edição deste ano, constatou que os alunos do básico “tinham mais curiosidade em descobrir que áreas existem dentro da Engenharia por exemplo”, enquanto que os alunos que estão prestes a ingressar no ensino superior “ fizeram perguntas mais específicas sobre o curso que pretendem seguir”.

Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, viu de perto o trabalho realizado pelos docentes, investigadores e estudantes da U.Porto presentes na Mostra. (Foto: U.Porto)

Oportunidade única para todos os alunos pré-universitários experimentarem diferentes áreas e esclarecerem dúvidas sobre a sua vocação profissional, a Mostra deste ano recebeu ainda a visita de Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, que também ficou a conhecer o trabalho feito nos laboratórios e salas de aula da Universidade do Porto.

Embora a Mostra tenha oficialmente terminado no domingo, a vontade de ficar a saber mais sobre o trabalho da comunidade da U.Porto não fica por aqui, já que a partir do dia 3 de maio está a ser preparado um programa de atividades que promete colocar a Engenharia Civil “à mostra”, com visitas guiadas à Casa Andersen e aos túneis do Metro, entre outros locais emblemáticos da cidade.

Estudantes da FEUP participam em experiência inédita promovida pela ESA

Seg, 24/04/2017 - 08:53

Os estudantes da FEUP integram a única equipa portuguesa a participar no programa da ESA. (Foto: DR)

Depois da participação na final de Kiruna, na Suécia, em setembro do ano passado, com o lançamento de uma experiência científica para o espaço num balão atmosférico de grandes dimensões, o mesmo grupo de estudantes da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) decidiu elevar a fasquia e candidatar-se a um novo ciclo do programa REXUS/BEXUS promovido pela Agência Espacial Europeia (ESA). O desafio passa, agora, por transportar experiências científicas para a estratosfera a partir de um foguetão. A proposta foi aceite pelos peritos da ESA nas vésperas de Natal, altura em que ficaram a saber que teriam um ano e meio para desenvolver o projeto.

Para Nuno Moreira, Bruno Correia, Américo Leão Duarte e David Leite, estudantes do 4º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC) FEUP esta não será uma estreia. Muito pelo contrário: estiveram envolvidos no lançamento da experiência anterior em Kiruna, promovida também pela ESA, e o “bichinho” da competição falou mais alto. A eles juntaram-se agora Pedro Costa, Daniel Granhão, Joana Macedo, Nuno Schumacher, estudantes do MIEEC e também Carlos Marinho do Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica. Durante o próximo ano vão ser orientados por Sérgio Reis Cunha, professor da FEUP e também por Zaida Silva, coordenadora do projeto Straplex junto das escolas do ensino secundário.

São a única equipa portuguesa a participar no programa da ESA. Juntam-se assim a mais nove equipas europeias, sendo que cinco delas são alemãs. Todos eles passaram por um processo de seleção bastante seletivo e no qual tiveram mesmo de prestar provas. Até porque o desafio que vão ter pela frente é bem mais complexo do que os anteriores: o lançamento de experiências científicas para a estratosfera a partir de um foguetão tem por objetivo demonstrar a viabilidade de navegar a alta altitude através da receção de sinais de rádio de oportunidade. Estes englobam sinais de televisão digital terrestre ou estações base de telemóveis que são difundidos com alcance significativo.

Denominado SPAN – Space Navigation Using Signals of Opportunity – o projeto liderado pelos estudantes da FEUP vai ainda incorporar um relógio atómico, o que por si só constitui uma inovação no programa REXUS. “Este novo projeto pretende comprovar que é possível navegar com sinais de oportunidade a maiores altitudes (90km), além de que irá processar a informação em tempo real, enviando diretamente para terra a posição do rocket”, explica Américo Leão Duarte, para quem “desenvolver uma ‘obra’ de engenharia à escala europeia e lançá-la num rocket é sem duvida uma grande motivação para nos superarmos, trabalharmos e colocar os nossos conhecimentos em prática. Acreditamos que este projeto é uma mais valia para os membros da equipa”.

“Através do contacto com experts e estudantes de outros países é possível adquirir novas forma de pensar e interagir com o mundo exterior. É uma oportunidade para desenvolver soft skills e aprender mais sobre o domínio aeroespacial, aprender a lidar com problemas de engenharia e a resolvê-los com sucesso”, remata o estudante da FEUP.

Destinado a estudantes universitários de todo o mundo, o programa BEXUS, promovido pela ESA, em parceria com o German Aerospace Center (DLR), o Swedish National Space Board (SNSB), o Mobile Rocket Base (MORABA) e o Center of Applied Space Technology and Microgravity (ZARM), é uma experiência única. Ao longo do desenvolvimento do projeto os estudantes têm o apoio técnico dos peritos das diferentes agências espaciais envolvidas no programa. O REXUS e o BEXUS são lançados a partir do Esrange Space Center, no norte da Suécia, e o lançamento está previsto para março de 2018. Até lá é trabalhar bastante para fazer história.

Projeto U-Bike apresenta-se à comunidade U.Porto

Seg, 24/04/2017 - 08:00

Todas as dúvidas sobre o Projeto U-Bike estão marcadas para 3 de maio.

O que é? Como funciona? Como ser um ciclista no Porto? Todas estas questões serão abordadas no próximo dia 3 de maio, a partir das 14h30, na Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP), durante a primeira sessão de esclarecimento do Projeto U-Bike, a iniciativa que, a partir do próximo ano letivo,  vai disponibilizar 220 bicicletas elétricas e 45 convencionais para uso regular e gratuito da comunidade académica da Universidade do Porto

Organizada pelo Centro de Desporto da Universidade Porto (CDUP-UP) em colaboração com a FEUP, esta sessão pretende dar aos participantes a oportunidade de esclarecerem todos os assuntos relacionados com o projeto, desde ambiente, rotas, segurança, regras de utilização, entre outros temas.

A sessão é aberta a toda a comunidade e vai decorrer na sala BO26 da FEUP. Para “chegar mais longe” no Projeto U-Bike, os interessados devem inscrever-se nesta ação através do respetivo formulário online.

Recorde-se que as candidaturas ao Projeto U-bike arrancaram no passado dia 16 de abril e podem ser efetuadas no site do CDUP-UP.

O projeto U-Bike Portugal é cofinanciado pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (PO SEUR), Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo de Coesão.

Mais informações em cdup.up.pt/ubike ou através do e-mail ubike@cdup.up.pt.

Prémios Incentivo’17: Pedro Cunha

Seg, 24/04/2017 - 06:56

O estudante de 19 anos da Licenciatura em Ciências da Nutrição espera que a U.Porto “continue o seu caminho esplêndido, tornando-se, cada vez mais, uma Universidade conceituada e procurada por estudantes de todo o mundo”.

Natural de Gondomar, Pedro Cunha refere-se ao primeiro ano no ensino superior como “o início de uma grande caminhada”. Os passos estão a ser dados na Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da U.Porto (FCNAUP), onde terminou o primeiro ano da licenciatura com média de 16,32 valores. É, por esse motivo, um dos estudantes da U.Porto distinguidos na edição 2017 do Prémio Incentivo, que foi entregue no Dia da Universidade.

– Uma razão para ter escolhido a U.Porto?

A Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação, uma das muitas faculdades de renome da U.Porto, foi despertando a minha atenção durante o ensino secundário. É um grande prestígio pertencer a esta grande casa, fundada pelo honrado Doutor Emílio Peres, que nunca se distancia na memória de quem vive a Nutrição. Por outro lado, é a Universidade da minha cidade, da “Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta Cidade do Porto”.

– O balanço deste primeiro ano na Universidade?

Foi um ano bastante positivo, o início de uma grande caminhada que, certamente, fica na memória de todos os que por cá passam como estudantes. É o ano que começa a deixar-nos as suas marcas e com o desejo de um futuro cada vez melhor, onde estamos um passo mais perto dos tão distantes sonhos.

– De que mais gosta na Universidade do Porto?

Da grande partilha de conhecimentos e da história que cada vez mais envolve os seus estudantes, é aquele sentimento de nos sentirmos acolhidos. Valorizo muito a investigação jovem ser algo tão aprimorado e aplaudido entre a comunidade académica.

 – De que menos gosta na Universidade do Porto?

Não há assim nada que considere de menos positivo na U.Porto, talvez algo que já foi referido, a distância entre os vários pólos, o que, por vezes, complica um pouco a interação entre estudantes e investigadores no desenvolvimento de determinados projetos.

 – Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?

Que continue o seu caminho esplêndido, tornando-se, cada vez mais, uma Universidade conceituada e procurada por estudantes de todo o mundo.

 – Um desejo para a Universidade do Porto, no seu aniversário?

O meu maior desejo é que a U.Porto se perpetue no tempo, que continue a ser uma universidade de estudantes, feita para os estudantes e que continue a partilhar os seus enormes frutos com a população da cidade do Porto, mas também por esse mundo fora.

– Qual a importância do Prémio Incentivo para o futuro?

Eu vejo o Prémio Incentivo como um estímulo importante para o futuro. No entanto, não considero que o seja só para mim, uma vez que, sozinhos, nada somos. Vejo-o como um incentivo para todos as pessoas especiais que caminham e enfrentam as dificuldades comigo, vejo-o também como um incentivo para a minha faculdade continuar com o ensino rigoroso que sempre praticou. Aproveito para destacar nesta honrosa família que me acolheu, com todos os seus excelentes docentes, o professor Pedro Moreira, que, como diretor da nossa casa, tanto faz pelos seus estudantes. Aproveito, também, para destacar a importância da motivação crescente que me acompanha pelos investigadores e docentes do serviço e laboratório de Imunologia da Faculdade de Medicina , com destaque para o professor André Moreira. Vejo o Prémio Incentivo repleto de importância não só para mim mas para todos os que o tornaram possível.

Estudante da FADEUP entre as melhores da Europa na ginástica artística

Dom, 23/04/2017 - 09:42

“Não podia ter tido um melhor início de ciclo olímpico”, referiu Filipa Martins no final da competição. (Foto: COP)

A ginasta portuguesa Filipa Martins, estudante da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP), alcançou um brilhante oitavo lugar na prova de ‘all-around’ do Campeonato Europeu de ginástica artística, que decorreu na cidade de Cluj Napoca, na Roménia.

A atleta portuense, que tinha conseguido a qualificação para a final como 10.ª melhor classificada, amealhou um total de 52,832 pontos, destacando-se entre as 24 ginastas em competição. A prova foi ganha pela britânica Elissa Downie, de 17 anos, que totalizou 55,765 pontos.

Filipa Martins on floor for Portugal #EChCluj2017 pic.twitter.com/WTils97xsF

— UEG (@UEGymnastics) April 18, 2017

A atleta portuense (na foto, à direita) subiu ao pódio com as restantes melhores classificadas. (Foto: DR)

Apesar de ter ficado a um lugar da sua melhor classificação de sempre na competição (sétima eem 2016), Filipa Martins não podia estar mais satisfeita com o resultado obtido. «Foi um sonho tornado realidade. Foi uma competição lindíssima com ótimo ambiente. Puxamos todas umas pelas outras. Não podia ter tido um melhor início de ciclo olímpico, estou muito contente com o resultado», disse a ginasta olímpica no final da competição.

Com uma ascensão meteórica na modalidade, Filipa Martins junta assim mais um capítulo de ouro num currículo que regista alguns dos mais brilhantes resultados da história da ginástica portuguesa. Entre eles inclui-se a conquista de várias medalhas na Taça do Mundo de ginástica artística e uma medalha de bronze nas Universíadas 2015 (Coreia do Sul). Resultados que lhe valeram a liderança do ranking mundial de paralelas assimétricas da Federação Internacional de Ginástica (FIG) em 2015 e a atribuição do prémio de Atleta do Ano pela Confederação do Desporto de Portugal (CDP). Já em 2016, obteve hoje a melhor participação de sempre de uma ginasta portuguesa na prova de ginástica artística dos Jogos Olímpicos, ao ser 37.ª no ‘all-around do Rio 2016.

Clima, média e educação em debate no encerramento do Clima@EduMedia

Dom, 23/04/2017 - 07:18

A Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) recebe, no próximo dia 27 de abril, quinta-feira, a partir das 14h30, a cerimónia de encerramento do Clima@EduMedia, projeto da U.Porto que, ao longo dos últimos dois anos, envolveu mais de 2 mil alunos e mil professores de escolas de 3.º Ciclo e de Ensino Secundário de todo o país em atividades relacionadas com as  mudanças climáticas, através do uso dos média.

A decorrer na sala -120 do Departamento de Geociências, Ambiente e Ordenamento do Território, a cerimónia – aberta ao público – incluirá a apresentação dos principais resultados do projeto e as medidas de adaptação e/ou de mitigação implementadas pelas escolas vencedoras do concurso escolar “Alterações Climáticas”. Pelo meio, será apresentada uma plataforma de conteúdos educativos dirigida a professores. Este novo produto será de livre acesso e aborda, entre outros aspetos, o uso dos média no ensino das alterações climáticas.

Durante a sessão, haverá também lugar para uma reflexão sobre a relação entre média, educação e alterações climáticas, contando com a participação de entidades como a Câmara Municipal do Porto, a Agência Portuguesa do Ambiente e a Direção-Geral de Educação e de especialistas das universidades do Porto, Aveiro e Minho, entre outros.

Entre as atividades promovidas no âmbito do Clima@EduMedia incluiu-se o lançamento do Massive Open Online Course “As alterações climáticas nos média escolares”, que foi o primeiro MOOC da Universidade do Porto. Forma ainda dinmizadas uma formação presencial para alunos sobre produção jornalística acerca das alterações climáticas; um conjunto de conferências sobre alterações climáticas transmitidas via livestreaming; e o concurso escolar “Alterações Climáticas”, que investiu 100 mil euros nas melhores propostas apresentadas pelas escolas participantes.

O Clima@Edumedia é um projeto desenvolvido pela FLUP e pela FCUP ao abrigo do Programa “AdaPT – Adaptando Portugal às Alterações Climáticas” e tem como missão apoiar a educação nacional em matéria de mudanças climáticas, através do uso dos média.. O projeto está integrado no Programa AdaPT, gerido pela Agência Portuguesa do Ambiente, IP, enquanto gestora do Fundo Português de Carbono (FPC) e é cofinanciado pela Islândia, Liechtenstein e Noruega, através do Programa EEA Grants.

Empreendedorismo qualificado é o principal desafio da U.Porto

Sáb, 22/04/2017 - 12:00

No discurso de abertura da sessão, Carlos Melo Brito destacou o papel da U.Porto na promoção do ecossistema empreendedor.

“Talento, redes, escala, mundo, imagem e ambição”. Foi desta forma que Carlos Melo Brito, pró-Reitor para a Inovação e Empreendedorismo, resumiu os principais desafios e oportunidades do ecossistema empreendedor da Universidade do Porto. Esta conclusão surge da primeira edição dos Estados Gerais do Empreendedorismo na U.Porto, uma sessão com casa cheia, que conjugou a visão interna e externa à Universidade.

Mais de uma centena de pessoas juntaram-se na Reitoria da U.Porto, na passada quinta-feira, dia 20 de abril, para conhecer mais aprofundadamente o que pode a U.Porto fazer pelos seus membros mais empreendedores, num evento organizado pelo Clube de Empreendedorismo da U.Porto (CedUp). Como referiu Carlos Brito no início da sessão, a U.Porto, sendo um grande produtor nacional de ciência, “tem a obrigação de criar valor com base nesse conhecimento, seja ele económico ou social. E, para isso, todos têm de ser empreendedores”.

O primeiro painel da tarde foi dedicado à visão interna do tema, numa sessão onde estiveram representadas as principais estruturas de apoio ao empreendedorismo na U.Porto, na pessoa de Cláudia Silva (UPTEC), João José Pinto Ferreira (Mestrado em Inovação e Empreendedorismo Tecnológico/MIETE) e Maria Oliveira (U.Porto Inovação). A audiência contou também com o testemunho de Júlio Martins da ideia.m, uma das primeiras startups a nascer no seio da Universidade do Porto. Numa animada conversa moderada pelo jornalista António José Gouveia (editor no Jornal de Notícias), os oradores analisaram as oportunidades que existem para os empreendedores da Universidade, desde a formação pós-graduada, passando pela proteção da propriedade intelectual na U.Porto Inovação ou pela incubação de startups no UPTEC.

Maria Oliveira, da UPIN, João Ferreira da FEUP, Cláudia Silva do UPTEC e Júlio Martins da ideia.m falaram sobre a visão interna do empreendedorismo.

Ficou no ar uma questão consensual: o que falta fazer? O painel de oradores concordou que a vertente do ensino é a mais importante mas, como referiu Júlio Martins, com base na sua experiência de anos, essa formação deve ser mais específica: “Ser empreendedor hoje em dia, mais do que uma palavra hype fashion, é uma grande responsabilidade e todos devem ter a noção dos desafios e dos riscos. É o trabalho de muita gente, são recursos, são pessoas, são questões legais. Mais do que haver formação em empreendedorismo deve haver, sim, formação em ambiente de negócios”. Maria Oliveira acrescentou ainda que, para isso, “a Universidade deve apostar numa estratégia que privilegie o ensino das competências de empreendedorismo, cada vez mais procuradas por que procura a U.Porto”.

Moderado por Sandra Pereira, pivô de informação da RTP, o segundo painel juntou um conjunto de entidades – Sonae Investment Management, Câmara Municipal do Porto, Federação Nacional de Associações de Business Angels (FNABA) e ANJE – que olham, de fora, para o estado do empreendedorismo na Universidade do Porto. E o que procuram estes organismos na Universidade? A partir desta questão, Filipe Araújo, da Câmara Municipal do Porto, destaca a importância da U.Porto no desenvolvimento de estruturas e redes, que ajudem a promover o crescimento das empresas da região, como é o caso do projeto Scaleup Porto. Já Alexandre Teixeira dos Santos, da Sonae Investment Management, desafia a U.Porto a trazer para a cidade alguns programas (já existentes) que ajudem os empreendedores a inovar e gerar negócio em torno da região.

A visão externa do empreendedorismo foi analisada com Alexandre Teixeira dos Santos, da Sonae Investiment Management, Filipe Araújo, da CMPorto, Miguel Henriques da FNABA e Rafael Rocha, da ANJE.

Miguel Henriques, da FNABA, dá-nos uma visão otimista do ecossistema empreendedor. Segundo o presidente da federação, os empreendedores “têm de ter o arrojo de procurar redes”, para se tornarem mais competentes no acesso ao mercado de investidores. Rafael Rocha, da ANJE, salienta três missões da Universidade: “criar talento, transferir conhecimento e dinamizar a relação com as empresas”.

Numa altura em que diariamente se fala de empreendedores, o desafio lançado à comunidade interna e externa da Universidade do Porto passa por promover o “empreendedorismo qualificado”. No discurso de encerramento da sessão, Sebastião Feyo de Azevedo, Reitor da U.Porto, reforçou a mensagem de que “temos todas as condições de criar o Porto, cidade de inovação”.

U.Porto lança programa doutoral pioneiro em Sexualidade Humana

Sáb, 22/04/2017 - 11:30

A FPCEUP acolhe, desde 2013, o SexLab – Centro de Investigação em Sexualidade Humana da U.Porto (Foto: Egídio Santos/U.Porto)

A Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP), em colaboração com a Faculdade de Medicina (FMUP) e o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), vai lançar um programa doutoral pioneiro a nível europeu, dedicado ao estudo da Sexualidade Humana.

Destinado a psicólogos, educadores, médicos, enfermeiros, sexólogos e outros profissionais nas áreas da Saúde e das Ciências Sociais e Humanas, o PDSH – Programa Doutoral em Sexualidade Humana terá como objetivo promover o conhecimento avançado e o desenvolvimento de investigação nesta área de relevância central, quer para o bem-estar quer para a saúde biopsicossocial. Trata-se do primeiro doutoramento desta natureza no espaço europeu e um dos poucos a nível internacional.

Com a duração de seis semestres, o plano de estudos do PDSH irá abordar as questões da sexologia clínica, género e identidade, educação sexual, medicina sexual e a saúde sexual e reprodutiva. Em perspetiva está ainda a criação de parcerias internacionais estratégicas, tendo em vista o estabelecimento de um centro de excelência internacional na área da sexualidade na Universidade do Porto e em Portugal.

O curso acaba de receber a acreditação oficial da A3ES – Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior, estando prevista a abertura de candidaturas para o ano letivo 2018/2019.

Recorde-se que  a FPCEUP acolhe, desde 2012, o Centro de Investigação em Sexualidade Humana da Universidade do Porto (SexLab) exclusivamente dedicado à investigação experimental e psicofisiológica de diferentes aspetos da sexualidade humana, que tem sido alvo de atenção da comunicação social internacional.

Prazo para candidaturas às eleições do Conselho Geral termina a 28 de abril

Sáb, 22/04/2017 - 09:00

Composição do Conselho Geral para o próximo mandato de quatro anos será definido no dia 1 de junho de 2017.

É já no próximo dia 28 de abril que termina o prazo para apresentação de listas candidatas à eleição dos 12 representantes dos docentes e dos investigadores e o representante dos não docentes e não investigadores que irão fazer parte do Conselho Geral da Universidade do Porto.

A eleição que determinará grande parte da composição para o próximo mandato de quatro anos daquele que é um dos mais importantes órgãos de governo da Universidade – responsável, por exemplo, por eleger o Reitor – irá realizar-se no dia 1 de junho de 2017.

As candidaturas para ambas as eleições devem ser submetidas até às 23h59 de sexta-feira, 28 de abril, seguindo as normas estabelecidas pelo Regulamento Para a Eleição e Cooptação dos Membros do Conselho Geral da U.Porto e o modelo de apresentação de candidaturas estabelecido pelas respetivas Comissões Eleitorais.

Estes e outros documentos pertinentes para o processo eleitoral estão disponíveis para consulta na página criada para o efeito no SIGARRA da U.Porto. Nesta página será também colocada toda a informação relevante para conhecimento do processo eleitoral, bem como os resultados que forem sendo obtidos.

O Conselho Geral da Universidade do Porto é constituído por 23 membros assim distribuídos: 12 representantes dos docentes e investigadores, quatro representantes dos estudantes e um representante dos não docentes e não investigadores, aos quais se juntam seis personalidades externas à Universidade, cooptadas pelos membros eleitos.

Para além de eleger o Reitor, o Conselho Geral tem entre as suas competências a fixação do valor das propinas, a aprovação das linhas gerais de orientação da Universidade no plano científico, pedagógico, financeiro e patrimonial, dos planos estratégicos de médio prazo da Universidade e suas unidades orgânicas e do plano de ação para o quadriénio do mandato do Reitor, entre outras.

Um fim de semana para mostrar a U.Porto a toda a família

Sex, 21/04/2017 - 13:40

Ajudar a escolher um curso superior ou experimentar diferentes áreas são dois dos motivos que levam milhares de pessoas a visitar a Mostra da Universidade do Porto. (Foto: Egidio Santos/U.Porto)

Depois de receber a visita de mais de 7.000 alunos do ensino básico e secundário, a Mostra da Universidade do Porto abre portas a toda a cidade no fim de semana. Até ao próximo domingo (23 de abril), há mais de 100 atividades interativas para ficar a conhecer as mais recentes descobertas científicas e inovações tecnológicas da U.Porto no Pavilhão Rosa Mota.

Aproveitar o bom tempo para um passeio pelos jardins do Palácio de Cristal e fazer uma visita à Mostra da Universidade do Porto. Caso ainda não tenha planos para o fim de semana, aqui está uma sugestão. Num único local, o público pode experimentar um conjunto de atividades de áreas científicas tão distintas como a medicina ou as artes, e ajudar os mais novos a descobrir vocações e a escolher o seu futuro curso no Ensino Superior.

Todos os que visitarem a Mostra vão ter também a oportunidade de contactar com cerca de 300 professores, investigadores e estudantes da U.Porto, e com eles esclarecer todas as dúvidas em torno dos programas curriculares, saídas profissionais e outras informações sobre os cursos disponíveis na universidade.

Como a Mostra não se esgota no público pré-universitário, os visitantes de todas as idades que queiram prosseguir os seus estudos superiores podem também explorar todas as opções de formação da Universidade do Porto, desde pós-graduações a mestrados ou doutoramentos.

A Mostra da Universidade do Porto está aberta a todo o público (entrada livre) até ao próximo domingo (23 de abril) no seguinte horário: sábado das 11h00 às 20h00 e domingo das 11h00 às 19h00.

Mais informações aqui.

A maior competição nacional de engenharia decide-se na FEUP

Sex, 21/04/2017 - 13:12

É o momento mais aguardado por todos os grupos locais do Board of European Students of Technology (BEST Porto) espalhados pelo território nacional e pode carimbar a passagem até à final internacional que este ano vai decorrer na cidade de Brno, na República Checa, em agosto. A partir deste sábado, e até segunda-feira (22 a 24 de abril), todas as emoções vão estar ao rubro na final nacional da European BEST Engineering Competition (EBEC) que este ano se decide na Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP).

Destinada a estudantes de tecnologias, esta é a 11.ª edição da EBEC Portugal.Participam os vencedores das rondas locais que, entretanto, foram sendo organizadas pelos diferentes núcleos do BEST: ao todo, são cerca de 40 participantes provenientes da FEUP, Faculdade de Ciências da U.Porto (FCUP), da Universidade de Aveiro, Universidade de Coimbra, Instituto Superior Técnico e Universidade Nova de Lisboa.

O arranque da prova vai acontecer no dia 22 de abril e terá a duração de 24 horas non-stop. As equipas vão poder participar em duas modalidades distintas: “Team-Design”, em que os estudantes são convidados a desenvolver um protótipo “surpresa”, criando um modelo real e funcional através de materiais de baixo custo, e o “Case-Study”, em que assumem o papel de CEO para resolverem um caso de estudo real, recorrendo a princípios de gestão.

Em apenas 24 horas, os estudantes vão ser testados até ao limite das suas capacidades técnicas, criativas e de improviso. Todos os materiais, ferramentas e alimentação durante o evento serão assegurados pela organização, que vai envolver XX estudantes dos diferentes grupos locais do BEST, disponíveis para passar o fim-de-semana na faculdade para prestar apoio aos 40 participantes.

O tipo de protótipos a criar e o caso de estudo a resolver estão no segredo dos deuses até ao arranque da prova, agendado para as 14h de sábado, dia 22 de abril. A competição termina no dia seguinte, às 14h30. Segunda-feira, dia 24 de abril, cada equipa terá de apresentar e explicar os protótipos e os “case-studies” desenvolvidos perante um júri, numa sessão aberta a toda a comunidade da FEUP, a partir das XX horas.

Recorde-se que, na última edição, a equipa vencedora na categoria de “Case Study” da EBEC Porto foi a equipa que representou Portugal na final europeia que decorreu na cidade de Belgrado, de 1 a 10 de agosto 2016. A equipa era constituída por estudantes de Engenharia e Gestão Industrial da FEUP e destacou-se entre todos os restantes participantes na prova, tendo garantido o primeiro lugar do pódio.

O projeto EBEC tem como principal objetivo proporcionar aos alunos uma oportunidade de aplicarem os conhecimentos técnicos que vão adquirindo ao longo do seu percurso académico em situações reais de contexto empresarial. Este tipo de experiência também promove simultaneamente o trabalho de equipa, o espírito de entreajuda, iniciativa e criatividade, e o intercâmbio intercultural, que poderá ser uma grande mais-valia no futuro destes jovens.

Mais informações aqui.

Prémios Incentivo’17: Nuno Arala Santos

Sex, 21/04/2017 - 10:08

Natural do Porto, o estudante de 20 anos reconhece que o Prémio Incentivo “introduz um fator extra de motivação nos estudantes, contribuindo assim para aumentar a qualidade da sua aprendizagem”.

Nuno Arala Santos não teve grandes dificuldades em resolver a “equação” quando chegou a altura de escolher o local para ingressar no ensino superior. “Pretendia seguir Matemática”, e tendo a licenciatura na Faculdade de Ciências, “tão bem situada para mim”, a escolha tornou-se óbvia. Depois de muitas contas e números, a média de 19,38 valores com que terminou o 1.º ano do curso – a mais alta em toda a Universidade – garantiu-lhe um lugar entre os estudantes da U.Porto distinguidos na edição 2017 do Prémio Incentivo, que foi entregue no Dia da Universidade.

– Uma razão para ter escolhido a U.Porto?

Como pretendia seguir Matemática e sabia que o curso existente na U.Porto, tão bem situada para mim, era de qualidade, não tive muitas dúvidas na minha decisão.

 – O balanço deste primeiro ano na Universidade?

É um balanço positivo. O desafio do ensino superior em comparação com o secundário ajudou-me a fazer deste primeiro ano uma experiência muito enriquecedora.

– De que mais gosta na Universidade do Porto?

Gosto do entusiasmo e da paixão com que se faz e ensina a Ciência dentro da minha Faculdade, o que contribui para a criação de um excelente ambiente académico. Também saliento a elevada qualidade das infraestruturas, como as salas de aula, a biblioteca, etc.

– De que menos gosta na Universidade do Porto?

Do facto de, em diversas áreas, os cursos da U.Porto serem considerados inferiores aos de outras universidades estrangeiras, o que obriga muitos estudantes a emigrar para completarem os seus estudos.

– Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?

Através do investimento nos programas que mostram, de forma tão realista quanto possível, o que se faz nos diversos cursos aos alunos do ensino secundário (como a Universidade Júnior ou os Dias Abertos). Aplicados de forma apropriada, estes programas ajudam a trazer alunos interessados e motivados, elevando assim o nível da Universidade.

– Um desejo para a Universidade do Porto, no seu aniversário?

Que continue a formar as próximas gerações com a competência que tem demonstrado até hoje.

– Qual a importância do Prémio Incentivo para o futuro?

Numa sociedade que dá menos valor ao conhecimento do que seria desejável, iniciativas que reconheçam os alunos com melhor desempenho são essenciais no combate a essa desvalorização. A existência de prémios como este introduz um fator extra de motivação nos estudantes, contribuindo assim para aumentar a qualidade da sua aprendizagem.

U.Porto aprofunda cooperação no Senegal em visita oficial do Presidente da República

Sex, 21/04/2017 - 09:30

O vice-reitor Pedro Teixeira esteve presente na cerimónia de doutoramento Honoris Causa do Presidente da República no Senegal (Foto: Presidência da República)

A Universidade do Porto esteve representada pelo seu vice-reitor Pedro Teixeira na cerimónia de atribuição do título de Doutor Honoris Causa pela universidade senegalesa Cheikh Anta Diop a Marcelo Rebelo de Sousa.

O vice-reitor da U.Porto acompanhou a visita oficial do Presidente da República ao Senegal enquanto Consultor da Casa Civil para a Ciência e o Ensino Superior, tendo tido oportunidade de reunir com o Reitor da Université Cheikh Anta Diop (UCAD) com o objetivo de aprofundar as relações entre aquela universidade e as instituições de Ensino Superior portuguesas.

De facto, a UCAD tem já um histórico de colaboração com instituições portuguesas, nomeadamente com a Universidade do Porto, com a qual participou já em várias redes de cooperação internacional através dos recentemente concluídos projetos Mundus ACP, Mundus ACP II e DREAM do programa Erasmus Mundus.

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu o título honorífico da Université Cheikh Anta Diop (Foto: Presidência da República)

É especialmente através deste instrumento que a Universidade do Porto mantém acordos de cooperação com as instituições do Ensino Superior do Senegal, através dos quais 13 estudantes e 5 funcionários não docentes das universidades senegalesas cumpriram um período de mobilidade no Porto.

A cerimónia de doutoramento Honoris Causa pela UCAD foi apenas o primeiro ponto da agenda de Marcelo Rebelo de Sousa na sua visita oficial de dois dias (12 e 13 de abril) ao Senegal, em grande parte dedicada à promoção do ensino e aprendizagem da Língua Portuguesa naquele país francófono.

Localizada na capital Dacar, a Université Cheikh Anta Diop é uma das mais importantes universidades senegalesas, contando com mais de 60.000 estudantes inscritos e 60 anos de história. Foi criada em 1957 com a designação de Université de Dakar, tendo em 1987 recebido o nome daquele historiador, antropologista e político senegalês. Com 6 faculdades e 8 escolas de formação, a UCAD é precisamente uma das instituições deste país que oferece formação superior em Língua Portuguesa.

Páginas

Logo FEUP
Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto
Serviço de Documentação e Informação - Biblioteca
Rua Dr. Roberto Frias
4200-465 PORTO
Tel: +351 22 508 1442
biblioteca@fe.up.pt